ESTE SERVIÇO PODE CONTER TRADUÇÕES FEITAS PELO GOOGLE. O GOOGLE SE ISENTA DE TODAS AS GARANTIAS RELACIONADAS ÀS TRADUÇÕES, EXPRESSAS OU IMPLÍCITAS, INCLUINDO QUALQUER RESPONSABILIDADE EM RELAÇÃO À PRECISÃO, CONFIABILIDADE E QUALQUER DEVER IMPLÍCITO SOBRE SUA COMERCIALIZAÇÃO, ADEQUAÇÃO PARA UM FIM ESPECÍFICO E NÃO-VIOLAÇÃO.

Para sua conveniência, o site da Kaspersky Lab foi traduzido com a utilização do software de tradução Google Tradutor. Foram realizados esforços razoáveis para o oferecimento de uma tradução precisa; entretanto, as traduções automatizadas não são perfeitas e tampouco pretendem substituir a tradução qualificada de especialistas. Essas traduções são fornecidas como um serviço para os usuários do site da Kaspersky Lab e são exibidas "como estão". Não há nenhuma garantia de qualquer tipo, seja expressa ou implícita, sobre a precisão, confiabilidade, ou exatidão de quaisquer traduções feitas do inglês para qualquer outro idioma. Alguns conteúdos (como imagens, vídeos, Flash, etc.) podem não estar corretamente traduzidos devido às limitações do programa de tradução.

Email-Worm.VBS.BubbleBoy

Classe Email-Worm
Plataforma VBS
Descrição

Detalhes técnicos

Tipo: Verme de email
Plataforma: MS Windows com Internet Explorer 5.0, MS Outlook 98/2000 ou MS Outlook Express

Este é um worm de vírus da Internet que se espalha pela Internet como mensagens de e-mail infectadas. O worm chega como uma mensagem sem anexo, e o worm usa vários truques para ativar seu código diretamente do corpo da mensagem. Quando essa mensagem é aberta, o código do worm assume o controle, obtém acesso aos recursos do sistema (arquivos de disco e registro do sistema), processa o catálogo de endereços do Outlook e envia mensagens infectadas para esses endereços (de maneira semelhante ao Macro.Word97.Melissa vírus).

Este é o primeiro worm da Internet moderno conhecido que espalha suas cópias sem dados anexados. Como é o caso de outros worms da Internet, o usuário deve abrir o anexo para ativar as rotinas do worm, que assumem o controle no momento em que a mensagem é aberta.

As decepções

Para espalhar suas cópias, esse worm usa dois meios de engano. O primeiro é o recurso do MS Outlook, permitindo a criação de mensagens em formato HTML. Mensagens HTML podem conter scripts que serão executados automaticamente no momento em que a mensagem HTML é exibida (o usuário abre a mensagem). O worm usa esse recurso para executar seu código quando a mensagem infectada é aberta.

Para espalhar ainda mais suas cópias e ignorar a segurança do Internet Explorer, o worm usa outro truque. No momento, isso é denominado a vulnerabilidade de segurança "Scriptlet.Typelib".

Essa violação de segurança permite que scripts HTML criem arquivos de disco. O worm usa essa violação para criar um arquivo HTA (Aplicativos HTML, novo tipo exibido com o IE5), que contém o código principal do worm. Esse arquivo é criado na pasta Startup Windows e, como resultado, é ativado na próxima inicialização do Windows. Sendo executado como um arquivo de disco local, o script do worm neste HTML obtém acesso a arquivos e recursos do disco sem nenhuma mensagem de aviso de segurança do Internet Explorer, conecta-se ao catálogo de endereços do Outlook e se espalha.

Detalhes técnicos

Quando um usuário abre uma mensagem infectada, o script do worm incorporado nesse corpo da mensagem é automaticamente ativado e executado pelo MS Outlook. Esse script (usando a violação de segurança) cria o arquivo "UPDATE.HTA" no diretório "C: WINDOWSSTART MENUPROGRAMSSTARTUP". Este é o mesmo arquivo que o worm tenta criar no diretório "C: WINDOWSMENU INICIOPROGRAMASINICIO" (nome padrão do Windows na Espanha).

Este arquivo "UPDATE.HTA" contém o código principal do worm. Ele será executado na próxima inicialização do Windows, devido à sua localização na pasta Inicializar. O worm tem um pequeno erro aqui: ele pressupõe que o Windows esteja sempre instalado no diretório C: WINDOWS. Se esse não for o caso, o worm não poderá criar seu arquivo e falhar na replicação posterior.

Quando o arquivo UPDATE.HTA é executado, o worm executa o aplicativo Outlook em uma janela oculta e cria uma nova mensagem para todos os destinatários do catálogo de endereços do Outlook da mesma maneira que o vírus "Melissa". Esta nova mensagem tem o formato HTML e contém o script do worm no corpo. O assunto da mensagem é "BubbleBoy back!" E o corpo do texto aparece da seguinte forma:

 O incidente BubbleBoy, imagens e sons
 http://www.towns.com/dorms/tom/bblboy.htm

Após essa mensagem ser enviada, o worm cria o seguinte na chave de registro do sistema para impedir que mensagens duplicadas sejam enviadas:

 "HKEY_LOCAL_MACHINESoftwareOUTLOOK.BubbleBoy" = "OUTLOOK.BubbleBoy 1.0 por Zulu"

No final, o worm deixa, na tela, uma janela com o seguinte texto dentro:

  Erro do sistema, exclua "UPDATE.HTA" da pasta de inicialização para resolver isso
  problema.

O worm também altera os dados de registro do Windows (essa rotina é executada no momento em que o script UPDATE.HTA assume o controle):

  RegisteredOwner = "BubbleBoy"
  RegisteredOrganization = "Indústrias Vandelay"

Protecção

A Microsoft lançou uma atualização que elimina a segurança da vulnerabilidade "Scriptlet.Typelib". Recomendamos vivamente que visite http://support.microsoft.com/support/kb/articles/Q240/3/08.ASP e instale esta actualização.

Se você não usa nenhum aplicativo HTML (arquivos HTA), existe outra maneira de evitar a infecção por vírus desse tipo (os worms e vírus que usam a vulnerabilidade de segurança "Scriptlet.Typelib"). É necessário remover a associação de arquivo para a extensão .HTA. Para fazer isso, você precisa seguir várias etapas:

  1. Clique duas vezes no ícone "Meu computador" na área de trabalho.
  2. Na janela aberta, escolha o menu "Visualizar" -> "Opções …".
  3. Na guia "Tipos de arquivo", na caixa de listagem "Tipos de arquivo registrados", selecione o item "HTML Applicaton".
  4. Clique no botão "Remover" e confirme a ação.
  5. Fechar caixa de diálogo de opções.

Link para o original