ESTE SERVIÇO PODE CONTER TRADUÇÕES FEITAS PELO GOOGLE. O GOOGLE SE ISENTA DE TODAS AS GARANTIAS RELACIONADAS ÀS TRADUÇÕES, EXPRESSAS OU IMPLÍCITAS, INCLUINDO QUALQUER RESPONSABILIDADE EM RELAÇÃO À PRECISÃO, CONFIABILIDADE E QUALQUER DEVER IMPLÍCITO SOBRE SUA COMERCIALIZAÇÃO, ADEQUAÇÃO PARA UM FIM ESPECÍFICO E NÃO-VIOLAÇÃO.

Para sua conveniência, o site da Kaspersky Lab foi traduzido com a utilização do software de tradução Google Tradutor. Foram realizados esforços razoáveis para o oferecimento de uma tradução precisa; entretanto, as traduções automatizadas não são perfeitas e tampouco pretendem substituir a tradução qualificada de especialistas. Essas traduções são fornecidas como um serviço para os usuários do site da Kaspersky Lab e são exibidas "como estão". Não há nenhuma garantia de qualquer tipo, seja expressa ou implícita, sobre a precisão, confiabilidade, ou exatidão de quaisquer traduções feitas do inglês para qualquer outro idioma. Alguns conteúdos (como imagens, vídeos, Flash, etc.) podem não estar corretamente traduzidos devido às limitações do programa de tradução.

Email-Worm

Data de publicação 04/19/2016
Classe principal VirWare
Descrição

Email-Worms espalhado via email. O worm envia uma cópia de si mesmo como um anexo a uma mensagem de e-mail ou um link para seu arquivo em um recurso de rede (por exemplo, um URL para um arquivo infectado em um site comprometido ou um site de propriedade de hackers). No primeiro caso, o código do worm é ativado quando o anexo infectado é aberto (ativado). No segundo caso, o código é ativado quando o link para o arquivo infectado é aberto. Em ambos os casos, o resultado é o mesmo: o código do worm é ativado. Os worms de email usam uma variedade de métodos para enviar emails infectados. Os mais comuns são: usar uma conexão direta com um servidor SMTP usando o diretório de e-mail embutido no código do worm usando os serviços do MS Outlook usando as funções do Windows MAPI. Os worms de e-mail usam várias fontes diferentes para encontrar endereços de e-mail para os quais os e-mails infectados serão enviados: o catálogo de endereços do MS Outlook, um banco de dados de endereços WAB .txt armazenado no disco rígido: o worm pode identificar quais strings são e-mails de endereços de e-mail na caixa de entrada (alguns worms de e-mail até mesmo “respondem” a e-mails encontrados na caixa de entrada) Muitos worms de e-mail usam mais de uma das fontes listadas acima. Há também outras fontes de endereços de e-mail, como catálogos de endereços associados a serviços de e-mail baseados na web.

Saiba mais

Link para o original