ESTE SERVIÇO PODE CONTER TRADUÇÕES FEITAS PELO GOOGLE. O GOOGLE SE ISENTA DE TODAS AS GARANTIAS RELACIONADAS ÀS TRADUÇÕES, EXPRESSAS OU IMPLÍCITAS, INCLUINDO QUALQUER RESPONSABILIDADE EM RELAÇÃO À PRECISÃO, CONFIABILIDADE E QUALQUER DEVER IMPLÍCITO SOBRE SUA COMERCIALIZAÇÃO, ADEQUAÇÃO PARA UM FIM ESPECÍFICO E NÃO-VIOLAÇÃO.

Para sua conveniência, o site da Kaspersky Lab foi traduzido com a utilização do software de tradução Google Tradutor. Foram realizados esforços razoáveis para o oferecimento de uma tradução precisa; entretanto, as traduções automatizadas não são perfeitas e tampouco pretendem substituir a tradução qualificada de especialistas. Essas traduções são fornecidas como um serviço para os usuários do site da Kaspersky Lab e são exibidas "como estão". Não há nenhuma garantia de qualquer tipo, seja expressa ou implícita, sobre a precisão, confiabilidade, ou exatidão de quaisquer traduções feitas do inglês para qualquer outro idioma. Alguns conteúdos (como imagens, vídeos, Flash, etc.) podem não estar corretamente traduzidos devido às limitações do programa de tradução.

Virus.Win32.HIV

Classe Virus
Plataforma Win32
Descrição

Detalhes técnicos

Trata-se de um perigoso vírus Win32, residente na memória, que infecta arquivos PE EXE (aplicativos do Windows) e arquivos MSI, "atualiza-se" da Internet e possui capacidade de propagação de e-mail. O vírus é criptografado e usa a tecnologia "Entry Point Obscuring" para se esconder em arquivos infectados. O vírus tem cerca de 6K de comprimento.

O vírus usa truques de anti-depuração e interrompe uma máquina se o SoftICE ou outro depurador for detectado no sistema.

O vírus também tenta desativar a proteção de arquivos do Windows. Para fazer isso, ele infecta arquivos de sistema que são responsáveis ​​pela proteção de arquivos: ele sobrescreve o arquivo DEFAILT.SFC com dados vazios (em Win98) ou SFCFILES.DLL (em Win2000). Esse truque deve funcionar em Win98 e não deve funcionar em Win2000, onde o sistema bloqueia o acesso a SFCFILES.DLL ou a restaura imediatamente do backup.

Infecção

Para infectar arquivos * .EXE, o vírus procura por eles no diretório atual e se escreve no final do arquivo. Para obter controle, o vírus não modifica o endereço de inicialização do programa, mas, em vez disso, procura por subrotinas de programa padrão de cabeçalho / rodapé e corrige um rodapé com uma instrução JMP_Virus. Como resultado, o vírus não pode ser ativado no momento em que um arquivo infectado está sendo executado, mas sim quando uma rotina infectada é executada (quando a ramificação correspondente obtém o controle).

O vírus permanece na memória como um componente do programa infectado, conecta várias funções de acesso a arquivos e infecta arquivos EXE que são acessados ​​pelo programa infectado. Portanto, o vírus está ativo na memória do Windows até o momento em que um aplicativo infectado é encerrado.

Em alguns casos, sendo executado em uma máquina NTFS, o vírus cria um fluxo NTFS adicional (ADS) com o nome ": HIV" ("filename.ext: HIV") em arquivos infectados e grava o seguinte texto "copyright":

Esta célula foi infectada pelo vírus HIV, geração:

0xNNNNNNNN

onde NNNNNNNN é o número de "geração" de vírus.

Arquivos MSI

O vírus também intercepta o acesso a arquivos MSI, abre-os, procura arquivos PE EXE e os infecta sobrescrevendo a rotina de entrada do programa com o código que exibe a seguinte mensagem quando executado:

[Win32.HiV] por Benny / 29A
Esta célula foi infectada pelo vírus HIV, geração: 0xNNNNNNNN

onde NNNNNNNN é o número de "geração" de vírus.

Infecção de arquivos HTML

O vírus também procura arquivos * .HTML no diretório atual e os substitui por arquivos XML adicionando uma extensão .XML a eles:

Arquivo limpo : File.html
Arquivo infectado : File.html.xml

O vírus então oculta arquivos XML infectados usando um truque: ele define uma chave de registro que faz com que o Windows não mostre extensões para arquivos XML; altera o ícone dos arquivos XML; e coloca o ícone de arquivos HTML padrão lá. Como resultado, os arquivos HTML infectados (que na verdade são arquivos XML após serem infectados) são exibidos pelo Explorer como arquivos HTML padrão na lista de arquivos. Assim, um "File.html.xml" infectado será mostrado como "File.html" com um ícone de arquivo HTML.

O programa de script escrito pelo vírus nos arquivos HTML infectados obtém acesso a uma zona da Internet e abre o arquivo lá:

http://coderz.net/benny/viruses/press.txt

Na realidade, isso não é um arquivo TXT, mas sim um arquivo XML processado pelo Internet Explorer como uma página da Web padrão (apesar do fato de o arquivo ter uma extensão TXT). O programa de script, em um arquivo PRESS.TXT, faz o download de um arquivo MSXMLP.EXE do mesmo site e o registra na seção de registro de execução automática:

HKEY_LOCAL_MACHINESoftwareMicrosoftWindowsCurrentVersionRun
HIV = c: MSXMLP.EXE

O arquivo MSXMLP.EXE encontrado nele é um aplicativo padrão do Windows com uma nova versão de vírus. Assim, o autor do vírus pode "atualizar" o vírus em computadores infectados ou instalar um cavalo de Tróia.

Propagação de e-mail

O vírus abre o banco de dados do WAB (Windows Address Book), obtém endereços de email de lá e envia mensagens que contêm o seguinte:

De : press@microsoft.com
Enviado : 2010/06/06 22:00
Assunto : XML presentation
Mensagem :

Por favor, confira esta apresentação XML e envie sua opinião.
Se você tiver alguma dúvida sobre a apresentação de XML, escreva-nos.
Obrigado,
A equipe de desenvolvimento XML, Microsoft Corp.

Arquivo anexado : press.txt

O arquivo PRESS.TXT anexado é o mesmo programa de script XML usado pelo vírus ao infectar arquivos HTML. Assim, quando um usuário ativa o PRESS.TXT, uma cópia de vírus é baixada para o computador e registrada no registro do sistema.

O vírus salva esse arquivo PRESS.TXT no diretório raiz da unidade C: C: PRESS.TXT.

Ao enviar mensagens, o vírus usa a biblioteca MAPI, portanto, não depende do sistema de email instalado no computador.

A versão de vírus conhecida tem um erro na rotina de envio e falha ao enviar mensagens.


Link para o original