ESTE SERVIÇO PODE CONTER TRADUÇÕES FEITAS PELO GOOGLE. O GOOGLE SE ISENTA DE TODAS AS GARANTIAS RELACIONADAS ÀS TRADUÇÕES, EXPRESSAS OU IMPLÍCITAS, INCLUINDO QUALQUER RESPONSABILIDADE EM RELAÇÃO À PRECISÃO, CONFIABILIDADE E QUALQUER DEVER IMPLÍCITO SOBRE SUA COMERCIALIZAÇÃO, ADEQUAÇÃO PARA UM FIM ESPECÍFICO E NÃO-VIOLAÇÃO.

Para sua conveniência, o site da Kaspersky Lab foi traduzido com a utilização do software de tradução Google Tradutor. Foram realizados esforços razoáveis para o oferecimento de uma tradução precisa; entretanto, as traduções automatizadas não são perfeitas e tampouco pretendem substituir a tradução qualificada de especialistas. Essas traduções são fornecidas como um serviço para os usuários do site da Kaspersky Lab e são exibidas "como estão". Não há nenhuma garantia de qualquer tipo, seja expressa ou implícita, sobre a precisão, confiabilidade, ou exatidão de quaisquer traduções feitas do inglês para qualquer outro idioma. Alguns conteúdos (como imagens, vídeos, Flash, etc.) podem não estar corretamente traduzidos devido às limitações do programa de tradução.

Net-Worm.Win32.Nimda

Classe Net-Worm
Plataforma Win32
Descrição

Detalhes técnicos

Trata-se de um vírus que se espalha pela Internet conectado a e-mails infectados e se copia para diretórios compartilhados em uma rede local, além de atacar máquinas vulneráveis ​​do IIS (sites da Web). O próprio worm é um arquivo EXE do Windows PE com cerca de 57 Kb de comprimento e está escrito em Microsoft C ++.

Para executar a partir de uma mensagem infectada, o worm explora uma violação de segurança. O worm então se instala no sistema e executa uma rotina de distribuição e uma carga útil.

O worm contém a seguinte sequência de texto "copyright":

Conceito Vírus (CV) V.5, Copyright (C) 2001 RPChina

Instalando

Durante a instalação, o worm se copia:

para o diretório do Windows com o nome MMC.EXE

para o diretório de sistema do Windows com RICHED20.DLL (e substitui o arquivo RICHED20.DLL original do Windows) e com o nome LOAD.EXE.

O último é registrado na seção de execução automática em um arquivo System.ini:

[boot] shell = explorer.exe load.exe -dontrunold

O worm também se copia para um diretório temporário com nomes aleatórios de MEP * .TMP e MA * .TMP.EXE, por exemplo:

mep01A2.TMP
mep1A0.TMP.exe
mepE002.TMP.exe
mepE003.TMP.exe
mepE004.TMP

Os arquivos EXE possuem os atributos Hidden e System, bem como um arquivo LOAD.EXE (veja acima).

O worm então executa suas rotinas de propagação e carga útil. Dependendo da versão do Windows, o worm afeta o processo EXLORER.EXE e pode executar suas rotinas como um processo em segundo plano (thread) do EXPLORER.

Espalhando via e-mail

Para enviar mensagens infectadas, o worm se conecta a uma máquina host usando o protocolo SMTP e envia suas cópias para os endereços das vítimas.

Para obter endereços de e-mail de vítimas, o worm usa duas maneiras:

1. verifica arquivos * .HTM e * .HTML e procura por strings semelhantes a e-mail

2. usando MAPI, conecta a caixas de email do MS Exchange e obtém endereços de email de lá.

As mensagens infectadas são do formato HTML e contêm:

Assunto: vazio ou aleatório
Corpo: vazio
Anexar: README.EXE

Os assuntos são escolhidos a partir do nome de um arquivo selecionado aleatoriamente de uma pasta:

HKCUSoftwareMicrosoftWindowsCurrentVersionExplorerShell FoldersPersonal

geralmente é "Meus Documentos" ou um arquivo selecionado aleatoriamente na unidade C :.

Para se espalhar a partir de mensagens infectadas, o worm usa um truque "IFRAME"; a vulnerabilidade descrita em:

Boletim de Segurança da Microsoft (MS01-020): Cabeçalho MIME Incorreto Pode Fazer com que o IE Execute o Anexo de E-mail http://www.microsoft.com/technet/security/bulletin/MS01-020.asp

Download do patch:

http://www.microsoft.com/windows/ie/downloads/critical/q290108/default.asp

O que causa a vulnerabilidade?

Se um email em HTML contiver um anexo executável, cujo tipo MIME é incorretamente fornecido como um dos vários tipos incomuns, uma falha no IE fará com que o anexo seja executado sem exibir um diálogo de aviso.

O que faz o patch?

O patch elimina a vulnerabilidade, corrigindo a tabela de tipos MIME e suas ações associadas no IE. Isso tem o efeito de impedir que e-mails sejam capazes de iniciar automaticamente os anexos executáveis.

Espalhando pela rede local

O worm verifica as unidades remotas locais e compartilhadas (mapeadas) de três maneiras diferentes e infecta todos os diretórios acessíveis de lá.

Enquanto infecta, o worm usa duas maneiras diferentes:

1. Cria arquivos .EML (95% do tempo) ou .NWS (5%) com nomes selecionados aleatoriamente. Como resultado, esses arquivos EML e NWS estão em toda parte em uma máquina infectada (e na rede local) e pode haver milhares deles. Esses arquivos contêm a cópia do worm em formato de e-mail.

O formulário de email é um email em HTML com a cópia do worm em um envelope MIME e com um truque IFRAME, conforme descrito acima. Ao ser aberta, essa mensagem infecta imediatamente uma máquina vulnerável.

2. O worm procura por combinações de nome de arquivo + extensão:

* DEFAULT *, * INDEX *, * MAIN *, * README * + .HTML, .HTM, .ASP

(* NAME * significa que pode ser uma subcadeia no nome do arquivo)

Caso tal arquivo seja encontrado, o worm se copia em formato de e-mail para lá com o nome README.EML e anexa ao arquivo HTM / ASP da vítima um programa em JavaScript que simplesmente abre o arquivo README.EML quando o arquivo HTML / ASP o arquivo está sendo aberto, ativando o worm como resultado.

Como resultado, o worm infecta páginas da Web e pode se espalhar para máquinas que visitam esses sites.

Espalhando como um ataque do IIS

Para carregar seu arquivo na máquina da vítima, o worm usa um comando "tftp" e ativa um servidor TFTP temporário em uma máquina infectada (atual) para processar o comando "get data" da máquina (remota) da vítima exatamente da mesma maneira. como o {"BlueCode": IISWorm_BlueCode} worm do IIS.

O nome do arquivo que é carregado na máquina da vítima é ADMIN.DLL.

Payloads

A rotina de carga útil adiciona o usuário "Convidado" ao Grupo de Usuários Administradores (como resultado, um usuário "Convidado" tem acesso total a uma máquina infectada).

O worm também abre todas as unidades locais para compartilhamento.

Existem várias variantes do worm "Nimda".

Todos eles são muito fechados para o original, e a maioria deles é apenas uma versão "remendada" do worm original – as seqüências de texto no corpo do verme são substituídas por outras seqüências de caracteres).

Nimda.b

Este é o worm "Nimda" original, porém comprimido por um compressor de arquivos PCShrink Win32 PE EXE. As cordas:

README.EXE, README.EML

são substituídos por:

PUTA !!. SCR, PUTA !!. EML

Nimda.c

Este é exatamente o worm "Nimda" original, embora seja compactado por um compressor UPX.

Nimda.d

Esta variante do worm foi enviada para a Internet no final de outubro de 2001. Ela foi espalhada em formato comprimido (compressor PECompact), e essa forma tem 27K de tamanho.

A única diferença do worm original são as strings de texto "copyright" corrigidas nesta versão com o seguinte texto:

HoloCaust Virus! V.5.2 por Stephan Fernandez.Espanha

Nimda.e

Esta é uma variante "Nimda" recompilada, e existem várias rotinas secundárias, ligeiramente corrigidas e / ou otimizadas. Esta variante foi encontrada na natureza no final de outubro de 2001.

As diferenças visíveis da versão original do worm são:

O nome do arquivo anexado:
SAMPLE.EXE (em vez de README.EXE)

Os arquivos DLL são:
HTTPODBC.DLL e COOL.DLL (em vez de ADMIN.DLL)

O texto "copyright" é substituído por:
Conceito Vírus (CV) V.6, Copyright (C) 2001, (Este é CV, No Nimda.)


Link para o original