ESTE SERVIÇO PODE CONTER TRADUÇÕES FEITAS PELO GOOGLE. O GOOGLE SE ISENTA DE TODAS AS GARANTIAS RELACIONADAS ÀS TRADUÇÕES, EXPRESSAS OU IMPLÍCITAS, INCLUINDO QUALQUER RESPONSABILIDADE EM RELAÇÃO À PRECISÃO, CONFIABILIDADE E QUALQUER DEVER IMPLÍCITO SOBRE SUA COMERCIALIZAÇÃO, ADEQUAÇÃO PARA UM FIM ESPECÍFICO E NÃO-VIOLAÇÃO.

Para sua conveniência, o site da Kaspersky Lab foi traduzido com a utilização do software de tradução Google Tradutor. Foram realizados esforços razoáveis para o oferecimento de uma tradução precisa; entretanto, as traduções automatizadas não são perfeitas e tampouco pretendem substituir a tradução qualificada de especialistas. Essas traduções são fornecidas como um serviço para os usuários do site da Kaspersky Lab e são exibidas "como estão". Não há nenhuma garantia de qualquer tipo, seja expressa ou implícita, sobre a precisão, confiabilidade, ou exatidão de quaisquer traduções feitas do inglês para qualquer outro idioma. Alguns conteúdos (como imagens, vídeos, Flash, etc.) podem não estar corretamente traduzidos devido às limitações do programa de tradução.

Email-Worm.VBS.KakWorm

Classe Email-Worm
Plataforma VBS
Descrição

Detalhes técnicos

Esse worm é escrito na linguagem Java Script, que, para divulgação, usa o MS Outlook Express. O worm não se anexa a mensagens como os vírus worm regulares, mas incorpora seu corpo em uma mensagem como um programa de script.

O worm funciona apenas nas versões inglesa e francesa do Windows. Ele também não funciona no caso de o Windows estar instalado em um diretório diferente de "C: WINDOWS".

O worm é totalmente compatível apenas com o MS Outlook Express. No MS Outlook, o worm é ativado e infecta o sistema, mas não é capaz de se espalhar ainda mais, porque tem como alvo o MS Outlook Express apenas para espalhar suas cópias. Em outros sistemas de e-mail, a funcionalidade do worm depende dos recursos desse sistema.

Ao infectar o sistema, o worm cria três arquivos adicionais com sua cópia. Primeiro, dois deles são usados ​​para infectar o sistema e o último é usado para espalhar o código do worm via e-mail infectado:

1. KAK.HTA na pasta de inicialização do Windows
2. aleatório chamado arquivo .HTA na pasta do sistema Windows
3. Arquivo KAK.HTM na pasta do Windows

O worm tem uma rotina de carga útil. No dia 1 de qualquer mês após as 17:00, é exibida a seguinte mensagem:

Kagou-Anti-Kro $ oft diz que não hoje!

forçando o Windows a sair depois disso.

Espalhando

O worm chega em um computador como uma mensagem de e-mail no formato HTML. O corpo da mensagem contém um script (programa de script Java) que é o próprio corpo do worm. Esse programa não aparece na tela, porque, em documentos HTML, programas de script nunca são exibidos. Como resultado, ao abrir uma mensagem infectada (ou ao visualizar), apenas o corpo da mensagem é exibido e nenhum código de worm é visível, mas o script é executado automaticamente pelo remetente, e o worm recebe o controle.

O worm infecta o sistema e se espalha em três etapas.

1. O worm cria sua cópia como um arquivo de disco em uma pasta de inicialização (inicialização automática) do Windows.

2. Quando o worm é executado a partir da pasta de inicialização do Windows, ele se move para o diretório de sistema do Windows, registra essa nova cópia no registro do sistema na seção de inicialização automática e remove a primeira cópia da pasta de inicialização do Windows.

3. O worm acessa a seção de registro do MS Outlook Express e registra a cópia do worm como assinatura padrão. O Outlook Express enviará automaticamente o código do worm por todas as mensagens enviadas.

O worm precisa desses passos, porque na primeira fase, ele é capaz de acessar apenas arquivos de disco, não o registro do sistema, portanto, precisa ser executado a partir de um arquivo de disco (da "zona de intranet local") para modificar as chaves de registro. O worm, em seguida, exclui sua cópia da pasta de inicialização do Windows para se esconder, e todos os programas são visíveis no StartProgramsStartup Menu.

Espalhando: passo 1 – sendo executado a partir de uma mensagem infectada

Após a ativação de uma mensagem infectada, o worm obtém acesso ao disco local de um computador. Para evitar a proteção de segurança (o acesso ao disco local é proibido por padrão), o worm usa uma violação de segurança chamada "Vulnerabilidade de segurança do TypeLib". O worm cria um objeto ActiveX marcado como seguro para scripts e tem a capacidade de gravar arquivos no disco. Usando esse objeto ActiveX, o worm obtém acesso por escrito ao disco.

O worm então cria o arquivo KAK.HTA e coloca seu próprio código ali. Esse arquivo é colocado no diretório de inicialização do Windows e, como resultado, ele será executado na próxima inicialização do Windows.

Comente:

Um arquivo HTA é um aplicativo HTML – o tipo de arquivo que aparece após a instalação
Internet Explorer 5.0. Arquivos HTA contêm texto HTML regular com scripts
dentro, mas ao ser executado, ele é executado como um aplicativo independente – sem
o shell do Internet Explorer. Ele fornece a possibilidade de escrever poderosas
aplicativos usando scripts regulares dentro de HTML.

Ao criar o arquivo KAK.HTA, o worm não determina um caminho real para o diretório do Windows e sempre supõe que o Windows esteja instalado na pasta "C: WINDOWS". Portanto, o worm não consegue se espalhar em um sistema no qual o Windows foi instalado em um diretório diferente de "C: WINDOWS". O worm tenta duas variações da pasta de inicialização do Windows na qual colocar sua cópia:

MENUD� ~ 1PROGRA ~ 1D�MARR ~ 1 (nome padrão na versão francesa do Windows)
STARTM ~ 1ProgramsStartUp (nome padrão na versão em inglês do Windows)

No caso em que o diretório de inicialização do Windows tem outro nome (em outra localização do Windows), o worm é incapaz de gravar seu arquivo lá e, portanto, não é capaz de se espalhar ainda mais.

Espalhando: passo 2 – sendo executado a partir de KAK.HTA

Após a seguinte reinicialização do Windows, o arquivo "KAK.HTA" é ativado a partir do diretório de inicialização do Windows. O programa de script dentro desse arquivo cria o mesmo arquivo HTA no diretório do sistema Windows. Esse arquivo tem um nome dependente do sistema (como "9A4ADF27.HTA"). O worm então modifica o registro do sistema para executar esse arquivo em cada inicialização do Windows. No caso de um usuário alterar a assinatura padrão do Outlook Express, o script nesse arquivo restaurará os componentes e as configurações do registro do worm; isto é, ele irá infectar novamente o sistema.

O script "KAK.HTA" cria o arquivo "KAK.HTM" que contém apenas o código do worm (essa página HTML não possui nenhum texto para exibir além do script puro do worm). Este arquivo é usado posteriormente para infectar mensagens.

Finalmente, o script anexa os comandos de arquivo "C: AUTOEXEC.BAT" que excluem "KAK.HTA" do diretório de inicialização, porque ele não precisa mais deles.

Espalhando: passo 3 – enviando mensagens infectadas

O mesmo script ("KAK.HTA"), em seguida, modifica o registro do sistema. Ele cria uma nova assinatura do Outlook Express que se refere ao arquivo "KAK.HTM" e define essa assinatura como a assinatura padrão no Outlook Express. A partir desse momento, cada vez que o Outlook Express compõe uma mensagem, ele inserirá a assinatura infectada na mensagem (o conteúdo do arquivo "KAK.HTM").

O worm é capaz de espalhar apenas as configurações padrão via mensagens HTML (e estas são as do MS Outlook Express). As mensagens RTF e "Texto sem formatação" não estão infectadas e não podem ser infectadas.

Protegendo

O problema é que a verificação antivírus regular usando scanners sob demanda não oferece proteção contra esse tipo de worms. Cada vez que uma mensagem infectada é aberta no Outlook, o worm aparecerá novamente. Além disso, se o Outlook Express se configura para mostrar um painel de visualização, basta selecionar a mensagem infectada da lista para que o worm seja ativado.

1. Para se proteger, é possível usar scanners no acesso para capturar o worm no momento em que ele se escreve no disco. Mas os scanners de acesso são incapazes de impedir a ativação do worm, porque os scripts em mensagens HTML de e-mail são executados diretamente na memória do sistema, não sendo armazenados e executados a partir de um arquivo de disco.

O melhor curso de ação é usar utilitários de antivírus que verifiquem programas de script antes de serem executados (consulte "Verificador de script AVP"). Esses programas podem impedir a ativação do worm e a infecção do sistema.

2. Para gravar seu próprio arquivo no disco, o worm usa uma violação de segurança do Internet Explorer 5.0. A Microsoft lançou uma atualização que elimina a vulnerabilidade de segurança "Scriptlet.Typelib". Recomendamos vivamente que visite http://support.microsoft.com/support/kb/articles/Q240/3/08.ASP e instale esta actualização.

3. Se você não planeja usar quaisquer aplicativos HTML (arquivos HTA) no trabalho, existe outra maneira de evitar a infecção por vírus desse tipo (os worms e vírus que usam arquivos HTA se propagam). É necessário remover a associação de arquivo para a extensão .HTA. Para fazer isso, você precisa seguir várias etapas:

1. Clique duas vezes no ícone "Meu computador" na sua área de trabalho.
2. Na janela que aparece, escolha o menu "Visualizar" -> "Opções …".
3. Na guia "Tipos de arquivo", na caixa de listagem "Tipos de arquivo registrados", selecione o item "Aplicativo HTML".
4. Clique no botão "Remover" e confirme a ação.
5. Feche a caixa de diálogo de opções.


Link para o original