ESTE SERVIÇO PODE CONTER TRADUÇÕES FEITAS PELO GOOGLE. O GOOGLE SE ISENTA DE TODAS AS GARANTIAS RELACIONADAS ÀS TRADUÇÕES, EXPRESSAS OU IMPLÍCITAS, INCLUINDO QUALQUER RESPONSABILIDADE EM RELAÇÃO À PRECISÃO, CONFIABILIDADE E QUALQUER DEVER IMPLÍCITO SOBRE SUA COMERCIALIZAÇÃO, ADEQUAÇÃO PARA UM FIM ESPECÍFICO E NÃO-VIOLAÇÃO. Para sua conveniência, o site da Kaspersky Lab foi traduzido com a utilização do software de tradução Google Tradutor. Foram realizados esforços razoáveis para o oferecimento de uma tradução precisa; entretanto, as traduções automatizadas não são perfeitas e tampouco pretendem substituir a tradução qualificada de especialistas. Essas traduções são fornecidas como um serviço para os usuários do site da Kaspersky Lab e são exibidas "como estão". Não há nenhuma garantia de qualquer tipo, seja expressa ou implícita, sobre a precisão, confiabilidade, ou exatidão de quaisquer traduções feitas do inglês para qualquer outro idioma. Alguns conteúdos (como imagens, vídeos, Flash, etc.) podem não estar corretamente traduzidos devido às limitações do programa de tradução.
Classe
Email-Worm
Plataforma
VBS

Classe principal: VirWare

Vírus e worms são programas maliciosos que se auto-replicam em computadores ou através de redes de computadores sem que o usuário esteja ciente; cada cópia subsequente de tais programas maliciosos também é capaz de se auto-replicar. Programas maliciosos que se espalham através de redes ou infectam máquinas remotas quando são ordenados pelo “proprietário” (por exemplo, Backdoors) ou programas que criam múltiplas cópias que não podem se auto-replicar não fazem parte da subclasse Vírus e Worms. A principal característica usada para determinar se um programa é ou não classificado como um comportamento separado dentro da subclasse Vírus e Worms é como o programa se propaga (ou seja, como o programa malicioso espalha cópias de si mesmo via recursos locais ou de rede). como arquivos enviados como anexos de email, através de um link para um recurso web ou FTP, através de um link enviado em uma mensagem ICQ ou IRC, via redes de compartilhamento de arquivos P2P, etc. Alguns worms são distribuídos como pacotes de rede; estes penetram diretamente na memória do computador, e o código do worm é então ativado. Os worms usam as seguintes técnicas para penetrar em computadores remotos e iniciar cópias de si mesmos: engenharia social (por exemplo, uma mensagem de email sugerindo que o usuário abre um arquivo anexado), explorando erros de configuração de rede (como copiar para um disco totalmente acessível) e explorando lacunas na segurança do sistema operacional e do aplicativo. Os vírus podem ser divididos de acordo com o método usado para infectar um computador: vírus de arquivo vírus do setor de inicialização vírus de macro vírus de script Qualquer programa dentro dessa subclasse pode ter funções adicionais de cavalo de Tróia. Também deve ser notado que muitos worms usam mais de um método para distribuir cópias via redes. As regras para classificar objetos detectados com múltiplas funções devem ser usadas para classificar esses tipos de worms.

Classe: Email-Worm

Email-Worms espalhado via email. O worm envia uma cópia de si mesmo como um anexo a uma mensagem de e-mail ou um link para seu arquivo em um recurso de rede (por exemplo, um URL para um arquivo infectado em um site comprometido ou um site de propriedade de hackers). No primeiro caso, o código do worm é ativado quando o anexo infectado é aberto (ativado). No segundo caso, o código é ativado quando o link para o arquivo infectado é aberto. Em ambos os casos, o resultado é o mesmo: o código do worm é ativado. Os worms de email usam uma variedade de métodos para enviar emails infectados. Os mais comuns são: usar uma conexão direta com um servidor SMTP usando o diretório de e-mail embutido no código do worm usando os serviços do MS Outlook usando as funções do Windows MAPI. Os worms de e-mail usam várias fontes diferentes para encontrar endereços de e-mail para os quais os e-mails infectados serão enviados: o catálogo de endereços do MS Outlook, um banco de dados de endereços WAB .txt armazenado no disco rígido: o worm pode identificar quais strings são e-mails de endereços de e-mail na caixa de entrada (alguns worms de e-mail até mesmo “respondem” a e-mails encontrados na caixa de entrada) Muitos worms de e-mail usam mais de uma das fontes listadas acima. Há também outras fontes de endereços de e-mail, como catálogos de endereços associados a serviços de e-mail baseados na web.

Plataforma: VBS

O Visual Basic Scripting Edition (VBScript) é uma linguagem de script interpretada pelo Windows Script Host. O VBScript é amplamente usado para criar scripts em sistemas operacionais Microsoft Windows.

Descrição

Detalhes técnicos

Este worm da Internet infecta o computador com o Windows 9x instalado eo Internet Explorer 5.0 sem o hotfix Scriptlet.TypeLib (MS99-032). O worm se espalha via e-mail, enviando mensagens infectadas de computadores afetados. Ao espalhar o worm usa o MS Outlook e se envia para todos os endereços que estão armazenados no MS Outlook Address Book. O worm também tem um método de espalhamento alternativo que não usa o Outlook.

O worm chega a um computador como mensagem de e-mail no formato HTML. O assunto da mensagem pode ser diferente. O corpo da mensagem não possui texto visível, mas contém um script que é o próprio worm.

No momento, a mensagem está sendo aberta ou exibida no painel de visualização, o script é ativado e o código do worm é executado. Neste momento, o aviso do ActiveX pode aparecer no display:

Um controle ActiveX nesta página pode ser inseguro para interagir com outras partes
da página. Você quer permitir essa interação?
[SIM NÃO]

A escolha de [NO] não permitirá que o worm seja executado.

O worm ativado remove alguns arquivos que são partes do worm, obtém acesso ao Outlook e se espalha usando-o, depois procura no disco rígido do computador por endereços de e-mail, os coleta e usa em uma rotina alternativa de propagação.

Compondo uma mensagem infectada para enviar, o worm escolhendo o assunto de uma das mensagens existentes na Caixa de Entrada do Outlook. O worm também anexa o arquivo HTML com o código do worm. Nome do arquivo é o nome de um dos anexos existentes na caixa de entrada com "(9 Kbytes) .vbs" adicionado. Assim, a mensagem infectada contém o código do worm duas vezes - no corpo HTML da mensagem e no anexo.

O worm se adiciona a todos os arquivos de assinatura usados ​​pelo MS Outlook. Isso significa que todas as mensagens compostas no formato HTML conterão o código do worm.

O worm substitui a página inicial do Internet Explorer por uma em branco. Quatro dias após a infecção, o worm substitui a página inicial novamente com a URL apontada para "http://www.freedonation.com".

O worm tem um método de espalhamento alternativo que não usa o Outlook. Essa rotina pesquisa no disco rígido local por arquivos com as extensões "txt", "na2", "wab", "mbx", "dbx" e ​​"dat" (essas são extensões comuns para bancos de dados de correio) e, em seguida, pesquisa e coleta e- endereços de e-mail nesses arquivos. Os endereços coletados são então postados (usando o formulário HTML) no site do autor do worm. Um script especial nesse site envia mensagens infectadas diretamente do site para cada endereço recebido. Essas mensagens têm o mesmo endereço nos campos "De" e "Para" e contêm apenas o corpo HTML com o código do worm dentro. Esse método de espalhamento alternativo não funcionará assim que o site do autor do worm for fechado.

Saiba mais

Descubra as estatísticas das vulnerabilidades que se espalham em sua região statistics.securelist.com

Encontrou uma imprecisão na descrição desta vulnerabilidade? Avise-nos!
Kaspersky Free Anti-Ransomware Tool for Business
Baixar ferramenta gratuita
Kaspersky Premium
Proteção completa para seus dispositivos, privacidade online e identidade
Premium
Confirm changes?
Your message has been sent successfully.