ESTE SERVIÇO PODE CONTER TRADUÇÕES FEITAS PELO GOOGLE. O GOOGLE SE ISENTA DE TODAS AS GARANTIAS RELACIONADAS ÀS TRADUÇÕES, EXPRESSAS OU IMPLÍCITAS, INCLUINDO QUALQUER RESPONSABILIDADE EM RELAÇÃO À PRECISÃO, CONFIABILIDADE E QUALQUER DEVER IMPLÍCITO SOBRE SUA COMERCIALIZAÇÃO, ADEQUAÇÃO PARA UM FIM ESPECÍFICO E NÃO-VIOLAÇÃO.

Para sua conveniência, o site da Kaspersky Lab foi traduzido com a utilização do software de tradução Google Tradutor. Foram realizados esforços razoáveis para o oferecimento de uma tradução precisa; entretanto, as traduções automatizadas não são perfeitas e tampouco pretendem substituir a tradução qualificada de especialistas. Essas traduções são fornecidas como um serviço para os usuários do site da Kaspersky Lab e são exibidas "como estão". Não há nenhuma garantia de qualquer tipo, seja expressa ou implícita, sobre a precisão, confiabilidade, ou exatidão de quaisquer traduções feitas do inglês para qualquer outro idioma. Alguns conteúdos (como imagens, vídeos, Flash, etc.) podem não estar corretamente traduzidos devido às limitações do programa de tradução.

Virus.DOS.Frodo

Data de detecção 11/20/2003
Classe Virus
Plataforma DOS
Descrição

Este é um vírus stealth residente na memória, 4096 (1000 h) bytes de comprimento. Ele infecta arquivos após a execução ou fechamento. Contaminação de arquivos de dados também é possível. O vírus completa sua cópia de forma que o tamanho de um arquivo infectado cresça exatamente em 4096 bytes (consulte "Eddie.2000"). Nos arquivos infectados, o vírus faz com que o tempo da última modificação aumente em 100 anos. Em arquivos COM, ele altera os primeiros 6 bytes e, em arquivos EXE, altera o cabeçalho.

Ao entrar nos arquivos, "Frodo" usa os valores verdadeiros dos vetores de interrupção 13h e 21h, que recebe usando o algoritmo "Yankee": Além disso, "Frodo" modifica os primeiros 5 bytes do manipulador INT 21h.

Ao criar sua cópia TSR, o vírus ocupa os principais endereços que resultam em infectar o arquivo Command.com. "Frodo" define o endereço do proprietário em seu MCB, coincidindo com o endereço do primeiro proprietário do MCB no sistema, mascarando-o de tal forma que o DOS. Posteriormente, a cópia do vírus pode se mover pela memória na direção de endereços inferiores, alocando novas áreas de memória e limpando áreas antigas.

Um verdadeiro vírus stealth: intercepta o INT 21h, manipula 20 (!) Funções dele (FindFirst, FindNext, Read, Write, Lseek, Open, Create, Close, Exec etc.) e efetivamente se mascara. Quando o DOS tenta acessar um arquivo infectado, o vírus substitui seu tamanho original e a hora da última modificação. Ao ler ou carregar um arquivo na memória, ele modifica as informações lidas do disco de forma que o arquivo apareça como se não estivesse infectado. Ao abrir um arquivo infectado para gravação, o vírus o cura (porque gravar no arquivo pode excluir parte do vírus) e o reinfeta ao fechar.

O vírus é executado de 22 de setembro a 31 de dezembro de cada ano. Não se sabe como o vírus é executado, porque a área correspondente do código do vírus é excluída. Pode-se supor que o vírus exclui o setor de inicialização de um disquete e o setor MBR do disco rígido, gravando seu próprio código lá. Após a reinicialização de tal disco, a tela exibe (usando símbolos pseudo-gráficos) a mensagem "FRODO LIVES!" em letras grandes.


Link para o original